Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

SSP divulga indicadores criminais de sete meses de 2022 no Estado

Publicação:

---
---

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) publicou nesta segunda-feira (15/8), na página de estatísticas de seu site, os indicadores criminais do Rio Grande do Sul referentes ao mês de julho, consolidando também o balanço dos sete primeiros meses de 2022. A divulgação mantém o compromisso de transparência e prestação de contas do serviço essencial de proteção da sociedade.

Os números dos crimes contra a vida, em relação ao mesmo período do ano anterior, apontam redução nos homicídios e latrocínios e alta nos feminicídios. Os dados mostram também queda nos principais crimes contra o patrimônio, como roubos de veículos e a transporte coletivo e ataques a banco, bem como em parte dos indicadores de violência contra a mulher monitorados pela SSP.

 Homicídios

 Entre os homicídios, o Rio Grande do Sul teve 120 vítimas em julho, 12,4% menos que as 137 do mesmo mês em 2021. No acumulado, o Estado soma 934 vítimas, o que representa queda de 2,8% frente às 961 dos sete meses do ano passado. A maior redução foi verificada no município de Viamão, na Região Metropolitana, onde os assassinatos baixaram de 44 entre janeiro a julho de 2021 para 22 no mesmo período deste ano.

RS   julho   homicídios
RS   acumulado   homicídios

Em Porto Alegre, em julho os homicídios subiram de 24 no ano passado para 28 neste ano, um aumento de 16,7%. No acumulado, a capital registra redução nos assassinatos, cuja soma caiu 1,2%, de 171 para 169.

POA   julho   homicídios
POA   acumulado   homicídios

Latrocínios

 Os dados do Estado como um todo apontam redução de 90% nos latrocínios em julho, com 10 casos em 2021 e um neste ano. No acumulado de sete meses, o Rio Grande do Sul teve em 2022 nove casos de roubo com morte a menos que no ano anterior, passando de 39 para 30 ocorrências, uma redução de 23,1%.

RS   julho   latrocínios
RS   acumulado   latrocínios

Na Capital, foi registrado um latrocínio em julho de 2022, enquanto no mesmo mês do ano passado houve dois casos. Considerando a soma dos sete primeiros meses de 2021 e deste ano, os roubos com morte em Porto Alegre reduziram 60%, baixando de 10 para quatro no período.

POA   julho   latrocínios
POA   acumulado   latrocínios

Feminicídios

 Os indicadores criminais de julho no Estado apontam aumento de feminicídios em relação ao mesmo mês do ano passado. O número de vítimas subiu 11,1%, de nove para 10.

Entre essas 10 mulheres assassinadas por motivo de gênero no mês, apenas três contavam com medida protetiva de urgência (MPU). No cenário acumulado desde janeiro, o Rio Grande do Sul contabiliza 68 feminicídios, 10 a mais que no primeiro semestre de 2021, o que representa uma alta de 17,2%.

RS   julho   feminicídios
RS   acumulado   feminicídios

O Estado reforça os canais de utilidade pública para o encaminhamento de denúncias anônimas às autoridades policiais quando houver qualquer suspeita ou informação sobre abuso contra mulheres:

  • 190 (situações que demandem socorro imediato)
  • www.ssp.rs.gov.br/denuncia-digital (Denúncia Digital 181 SSP)
  • 181 (Disque Denúncia SSP)
  • (51) 98444-0606 (WhatsApp da Polícia Civil)

Violência contra a mulher

Entre os outros quatro indicadores de violência contra a mulher acompanhados pela SSP, além do feminicídio, a variação dos números em relação a igual período do ano passado, tanto em julho quanto no acumulado, foi de alta nas lesões corporais e de redução nos casos de ameaça e tentativa de feminicídio. Estupros subiram em julho, mas estão em queda no acumulado.

RS   julho   violência contra a mulher
RS   acumulado   violência contra a mulher

Roubo de veículos

Entre os crimes patrimoniais, que apresentam queda de forma geral com os resultados dos indicadores de julho, o roubo de veículos teve redução de 1,8%, passando de 326 ocorrências no sétimo mês de 2021 para 320 neste ano. No acumulado, esse tipo de crime também teve menos casos, somando 2.615 registros, frente aos 3.032 do mesmo período no ano anterior, uma baixa de 13,8%.

RS   julho   roubo de veículos
RS   acumulado   roubo de veículos

Em Porto Alegre, cidade que tem a maior frota veicular e concentra a maior parte dos delitos desse tipo no Estado, o quadro foi de queda em julho, com 109 roubos de veículos, 10 a menos que o verificado no mês em 2021. No acumulado, houve redução na capital, que soma 1.011 casos desde janeiro, 15,1% menos que os 1.191 de igual período no ano passado.

POA   julho   roubo de veículos
POA   acumulado   roubo de veículos

Roubos a transporte coletivo, ataques a banco e abigeatos

Outro crime relacionado à circulação viária urbana, o roubo a transporte coletivo, considerando os delitos contra passageiros e motoristas de ônibus e lotações, reduziu em julho no Estado. Foram 86 casos em 2021 e 35 neste ano, queda de 59,3%. No semestre, os dados também apresentaram retração, de 673 ocorrências entre janeiro e julho do ano passado para 386 no mesmo período de 2022, uma diminuição de 42,6%.

RS   julho   roubo a transporte coletivo
RS   acumulado   roubo a transporte coletivo

Houve em julho o registro de dois ataques (furtos ou roubos) a banco no Rio Grande do Sul, uma queda de 50% em comparação com o mesmo mês em 2021. No acumulado desde janeiro, o Estado soma 16 ocorrências do tipo, 48,4% menos que as 31 registradas em igual período do ano anterior.

RS   julho   ataques a banco
RS   acumulado   ataques a banco

No meio rural, os crimes de abigeato (furto de gado) apresentam queda tanto no recorte de julho quanto no cenário do acumulado, em relação a iguais períodos do ano passado. No mês, o número desse tipo de delito, típico da zona rural, passou de 497 para 376, queda de 24,3%. A soma acumulada desde janeiro é de 2.657 ocorrências de abigeato, o que representa retração de 12,8% em relação às 3.048 registradas na primeira metade do ano passado.

RS   julho   abigeatos
RS   acumulado   abigeatos
RS   acumulado   geral
POA   acumulado   geral

As tabelas completas estão disponíveis na página de estatísticas do site da SSP. Para aprimorar as comparações, os dados de 2020 e 2021 também foram atualizadas. A medida é um esforço de trabalho do Observatório Estadual da Segurança Pública em ampliar a transparência ativa. Também nesse sentido, desde janeiro, a planilha de 2022 passa a incluir coluna com o número de vítimas de CLVIs. Além de homicídios dolosos, feminicídios e latrocínios, esse conjunto soma registros de homicídio decorrente de oposição à intervenção policial, homicídio doloso de trânsito, lesão corporal seguida de morte, aborto, induzimento/auxilio suicídio e infanticídio. A medida ainda vai auxiliar pesquisadores a acompanharem a evolução do indicador que é avaliado pela GESeg, dentro da metodologia implantada pelo RS Seguro.

Secretaria da Segurança Pública