Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Retrato falado é usado para localizar suspeito de assassinato

Peça produzida pelo IGP está sendo distribuída no Vale dos Sinos

Publicação:

Foto da reprodução humana de um foragido. O homem é acusado de assassinar uma garota de programa no Vale dos Sinos.
Assassino tem prisão temporária decretada - Foto: Reprodução Facial Humana: Vicente Ferraro/ IGP sobre foto cedida pela PC/RS

Um retrato falado produzido pelo IGP é a estratégia para localizar o autor do assassinato de Kelen Elizandra Teixeira, 31 anos, encontrada morta no banheiro de um prédio abandonado em Novo Hamburgo, no dia 1o de maio. Testemunhas relataram que a moça, que vivia em situação de rua, foi morta após desentendimento com um carroceiro, durante um programa. O homem está sendo procurado desde então pela Polícia Civil. Quem tiver informações pode entrar em contato com a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) da PC/RS pelo telefone (51) 99220-8288.

No centro da foto está um fotógrafo criminalista sentado em frente a um computador.
Fotógrafo criminalístico do IGP usou foto para fazer o retrato falado - Foto: Divulgação/IGP
A reprodução facial foi realizada pelo fotógrafo criminalístico do Posto de Criminalística do IGP em Novo Hamburgo, Vicente Ferraro. Utilizando o programa de imagens Photoshop, ele reconstruiu o rosto do suspeito. O homem negro, de cerca de 30 anos e barba rala, está com prisão temporária decretada. As diligências  da Polícia Civil continuam. 

O trabalho foi realizado a partir de uma foto fornecida pela Polícia Civil. Normalmente, a Representação Facial Humana, popularmente conhecida como retrato falado, é feita com base no depoimento das vítimas, que indicam as características físicas do suspeito diretamente para o fotógrafo. “Esperamos que o trabalho contribua para encontrar o assassino” afirma Ferraro.

Na extremidade esquerda há um câmera man com uma câmera que está focada em uma mesa. Nessa mesa há dezenas de fotografias de pessoas desaparecidas. No extremo centro direito, estão dois fotógrafos do IGP. Eles estão projetando o rosto de um menino.
Fotógrafos do IGP projetaram rosto de menino desaparecido há 20 anos - Foto: Ascom/IGP

Outras aplicações - os retratos falados também podem ser usados para projetar como estaria uma pessoa desaparecida e, assim, ajudar na procura. Em 2014, Ferraro simulou o envelhecimento nas feições de Beatriz Wink, moradora de Portão, que desapareceu em 2012, durante uma viagem ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida. Outro trabalho de destaque foi realizado pelos fotógrafos criminalísticos João Carlos Staub e Cláudia de Oliveira, do Departamento de Criminalística. Eles projetaram como estaria o menino Bruno Leal da Silva, desaparecido no litoral gaúcho, em julho de 1999, aos nove anos. Usando fotos da criança na época e registros fotográficos de outros familiares, foi possível atualizar as características que Bruno teria quando adulto.  

TEXTO: ASCOM/IGP

Secretaria da Segurança Pública