Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Número de pessoas perdidas no Litoral aumenta no primeiro final de semana do ano

Bandeira azul é colocada nas guaritas dos guarda-vidas quando uma pessoa é encontrada

Publicação:

Guarita dos guarda-vidas do CBMRS
As pulseirinhas de identificação ainda são o principal meio de prevenção desses incidentes - Foto: Guilherme Pignone/CBMRS

Estar na praia é sinônimo de diversão para as crianças. Os pequenos aproveitam o mar, correm e brincam na areia. Esse entretenimento, porém, requer atenção redobrada dos cuidadores para que não percam a gurizada de vista. Nesta temporada da Operação RS Verão Total, o número de pessoas perdidas na beira-mar aumentou em relação ao mesmo período do veraneio de 2021.

No primeiro final de semana de 2022, além das atividades preventivas e salvamentos, a atuação dos guarda-vidas subordinados ao Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul (CBMRS) foi marcada pelo alto índice das ocorrências de pessoas encontradas nas guaritas – a maioria, crianças. Foram 207 pessoas perdidas, sendo 55 na sexta-feira (31/12), 131 no sábado (1º/1) e 21 no domingo (2/1). Em comparação com o mesmo período do ano passado (179), ocorreu aumento de 16,2%. Se comparados com os números da própria Operação RS Verão Total 2021/2022, que já somam 271 ocorrências do tipo, este único final de semana representa 76,47% dos registros de toda a operação atual.

O público infantil pode facilmente se distrair, saindo do campo de visão dos pais e responsáveis, e se perder. Para auxiliar no cuidado, as autoridades orientam que a população solicite a pulseirinha disponibilizada nas guaritas dos guarda-vidas e nas Bases Móveis da Brigada Militar. As fitinhas ajudam a identificar a criança, o responsável e mostram o local onde foi retirada. Por precaução, as pulseiras não possuem mais o número de telefone dos pais, para evitar inconveniente de pessoas mal-intencionadas.

Para o Chefe da Assessoria de Operações e Defesa Civil do CBMRS, tenente-coronel Isandré Antunes, as pulseirinhas de identificação ainda são o principal meio de prevenção desses incidentes. “É importante que os pequenos saibam sempre qual a guarita em que os pais estão próximos, de maneira a facilitar sua localização, além de procurarem o posto de salvamento sempre que estiverem perdidas”, orienta o oficial.

Embora o público infantil represente a maior parte no total de pessoas perdidas, também são comuns ocorrências com idosos e pessoas com problemas de saúde ou deficiências. Caso qualquer pessoa se perca e seja encontrada pelos guarda-vidas, uma bandeira azul-escuro com o escrito “pessoa encontrada” é hasteada na guarita — é o sinal que alguém perdido está lá para ajudar na visualização por quem está à procura.

Texto: Leonardo Andrades/CBMRS e Kelly Motter/SSP
Edição: Carlos Ismael Moreira/SSP

Sinalização de pessoa encontrada com a bandeira azul nas guaritas das guarda-vidas no litoral norte e sul
A bandeira azul é hasteada abaixo da bandeira indicativa das condições do mar - Foto: Guilherme Pignone/CBMRS

Secretaria da Segurança Pública