Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Atendimento psicológico online para vítimas de violência doméstica tem início na Polícia Civil

Publicação:

O atendimento, inicialmente, será implantado na Deam de Porto Alegre, com um dos objetivos de diminuir a ansiedade da vítima.
O atendimento, inicialmente, será implantado na Deam de Porto Alegre, com um dos objetivos de diminuir a ansiedade da vítima. - Foto: Divulgação: Polícia Civil
Por Michel Fontana
Texto: Ascom Polícia Civil 

Nessa segunda-feira (04), a Polícia Civil, em parceria com o Instituto-Geral de Perícias (IGP), por meio do Departamento Médico-Legal (DML), iniciou o serviço de plantão psicológico online para vítimas diretas e indiretas de violência doméstica.

O atendimento, inicialmente, será implantado na Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Porto Alegre, com o objetivo de diminuir a ansiedade da vítima, auxiliar no preenchimento do questionário de avaliação de risco e facilitar sua organização mental para o depoimento.

Após o primeiro atendimento policial, com a anuência da vítima, seu número de telefone será repassado para a psicóloga responsável. Em seguida, em sala reservada ao acolhimento psicossocial, enquanto a vítima aguarda para prestar depoimento, a profissional de saúde fará contato por videochamada.

O atendimento tem duração de 20 a 25 minutos e é realizado as segunda-feiras, das 9h às 17h, e aos sábados, das 10h às 15h. Para as vítimas que procuram a Deam entre terça e sexta-feira, é possível combinar um horário para a realização do atendimento remoto que oferece o suporte emocional necessário para superar a violência.

Segundo a delegada Tatiana Bastos, o atendimento se dará no momento anterior à solicitação de Medidas Protetivas de Urgência e permanecerá pelo tempo necessário. “Dessa forma, no período em que ocorre a comunicação ao agressor e à família sobre as Medidas Protetivas, no qual uma série de reações tanto por parte do agressor, que pode novamente reproduzir violência psicológica ou física, quanto pela família, culpabilização da mulher, podem ocorrer, ela contará com o suporte emocional.

Secretaria da Segurança Pública