Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Encaminhamento das carteiras de identidade se adapta ao modelo de distanciamento controlado

Cuidados para evitar a propagação da Covid-19 garantem segurança no atendimento na Capital

Publicação:

Imagem fechada em equipamento para coleta de digitais, mostrando os braços de um servidor do IGP, coberto por proteções plásticas e luvas. Com as duas mãos, ele segura sobre o equipamento o dedo indicador de uma das mãos do cidadão que é atendido.
Todos os servidores utilizam equipamentos de proteção individual para evitar propagação do coronavírus - Foto: Divulgação/IGP

Desde o lado de fora, a precaução já deixa marcas. No chão, faixas coloridas, instaladas de dois em dois metros, indicam onde deve ficar quem espera para fazer a carteira de identidade. Na outra entrada, o atendimento é para os que vão retirar o documento. Dentro do saguão do Departamento de Identificação do IGP, no bairro Azenha em Porto Alegre, os cuidados são ainda maiores.

Servidor do IGP, usando equipamentos de proteção contra o coronavírus segura papel diante de um balcão com uma grande janela. Do outro lado, cidadão de máscara no rosto estende a mão para pegar o papel.
Departamento de Identificação separou guichê específico para quem vai apenas retirar o documento novo - Foto: Divulgação/IGP

Todo o procedimento está adaptado ao modelo de Distanciamento Controlado, instituído por decreto do governo estadual. O modelo prevê protocolos e limites para o atendimento presencial, de acordo com a situação do município. Porto Alegre foi classificada na bandeira laranja, ou seja, com risco médio, em um cálculo que leva em conta a quantidade de casos e a capacidade da rede de saúde. No caso do Departamento de Identificação, são permitidas até 50 pessoas, entre servidores e público, simultaneamente.

Antes mesmo de começar a trabalhar, os atendentes precisam preencher um formulário, relatando suas condições de saúde. Quem teve febre ou contato com alguém com Covid-19 é dispensado da escala de trabalho, que prevê revezamento nos dias da semana.

Um guichê separado atende exclusivamente idosos e pessoas com necessidades especiais. Ao fundo, as estações de trabalho foram afastadas, para fixar o isolamento em dois metros. Quem atende o público usa máscara ou escudo facial, luvas e manguitos, e tem a companhia constante do álcool gel 70%. O produto é usado para esterilizar a mesa, o mouse, o teclado, caneta e até os escudos faciais, após cada atendimento. Na hora de coletar as impressões digitais, uma porção generosa é oferecida para quem está sendo atendido. Só quem está de máscara pode entrar no Departamento.

Servidora do IGP, usando equipamentos de proteção contra o coronavírus, segura a mão de uma cidadão sobre equipamento para coleta de digitais. Ambos estão sentados, cada um de um lado de uma mesa, sobre qual também há um computador com monitor.
O motorista Alef Brum agendou por telefone a confecção de RG para apresentar no novo emprego e aprovou o serviço - Foto: Divulgação/IGP

O motorista Alef Brum foi um dos atendidos recentemente. Ele teve os documentos roubados em fevereiro, antes da pandemia. Prestes a conseguir um novo emprego, conseguiu fazer o encaminhamento, por telefone, de um dia para o outro. Ele não tem reclamações do serviço. “Foi tudo perfeito, bem rapidinho”, contou.

Segundo a Diretora do Departamento de Identificação do IGP, Katia Reolon Bittencourt, em média são encaminhadas 210 carteiras de identidade por dia. “É possível manter o atendimento dos serviços essenciais e, ao mesmo tempo, preservar a saúde de todos. Basta seguir à risca as recomendações e ficar atento às mudanças, já que o modelo é reavaliado a cada semana”, afirmou.

Restrições

Foto mostra servidora do IGP com máscara no rosto, luvas e protetores plásticos do punho aos cotovelos. Ela segura com as mãos um escudo facial de acrílico. Ao fundo, mesas com computadores e outros equipamentos.
Além de máscara, servidores também utilizam escudo facial de acrílico, luvas e protetores plásticos do punho aos cotovelos - Foto: Divulgação/IGP

Apesar das adaptações, o atendimento segue restrito aos casos urgentes, com necessidade comprovada por documentos. São consideradas urgências a retirada de receitas em farmácias, internações e cirurgias de emergência, casos de roubos e furtos e viagens de avião agendadas com urgência.

Em todos esses casos, é necessário apresentar documentos, como receitas médicas, boletins hospitalares, boletins de ocorrência e passagens aéreas que comprovem o relato. A prioridade é dada para os que necessitam da identidade para receber o auxílio emergencial do governo.

Departamento de Identificação sinalizou cadeiras para limitar capacidade da sala de espera a 50%. Imagem mostra fileiras de poltronas, nas quais algumas cadeiras estão sinalizadas com uma folha com um X vermelho.
Departamento de Identificação sinalizou cadeiras para limitar capacidade da sala de espera a 50% e respeitar distanciamento - Foto: Divulgação/IGP



Texto: Angélica Coronel/IGP
Edição: Marcelo Flach/Secom

Secretaria da Segurança Pública